está aqui: home > artigos > cães e bebés: um novo começar

Envie a um amigo
Recomende o vivapets
de:


para:


mensagem:

[ enviar ]

 

Cães e bebés: Um novo começar

ARCADENOE.SAPO.PT

É um especialista sobre este tema? 
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
Enviar este artigo a um amigo!
Preencha o formulário abaixo

o seu nome:
o seu email:
nome do seu amigo:
email do seu amigo:
comentários:
 
Segunda, 11 de Maio 2009

Cães e bebés: Um novo começar
A chegada de um novo bebé dita muitas vezes a partida do cão, seja para outra casa ou até mesmo para o canil ou para a rua. Com uma boa educação e sempre supervisionados, cães e crianças podem-se tornar os melhores amigos. Frequentemente, aquela recordação doce da infância está relacionada com um animal de estimação.

Assim que se descobre que a família vai receber um novo membro, é necessário ter a certeza que daí a alguns meses, tudo está pronto para receber o novo bebé. No que diz respeito ao cão não é necessário encontrar-lhe uma nova casa, mas sim iniciar ou reforçar o treino de obediência básica.

Cão educado


O cão deve ver o dono como líder e cabe ao dono ditar ao cão o que este pode ou não fazer. Se o cão obedecer ao dono, torna-se mais fácil controlar as suas reacções. O cão deve obedecer sem resistência aos comandos “deita”, “senta” e “fica” e vir também quando é chamado.

Outro aspecto importante a treinar com o cão é a recepção que este faz aos donos. O cão não deve saltar para os receber, pois vai passar a ser comum entrarem com o bebé em casa. Se não tiver experiência no treino de cães, pode recorrer a um profissional que o vai auxiliar nesta e noutras questões.

Para tentar dar algum realismo ao treino do cão, pode ensaiar as tarefas diárias que vai ter com o bebé em frente ao cão, por exemplo, passear com algo no colo de um lado para o outro ou embalar um boneco na cadeira de baloiço.

Lembre-se que o treino deve ser feito com base no reforço positivo, isto é, recompensar o cão sempre que ele obedecer aos comandos. Se persistentemente castigar o cão, ele acaba por associar o bebé a castigos e assim comprometer a relação entre os dois.

Para além das actividades, pode ser útil habituar o cão ao choro do bebé. Para isso existem CD’s ou até vídeos na internet que pode por a tocar em casa.

Vinda do hospital


Geralmente a mãe passa alguns dias no hospital na altura do parto e é normal que quando regressa, o cão a receba de forma entusiástica. Por isso, a dona deve entrar em casa sem o bebé, para evitar castigar o cão por estar entusiasmado com a vinda da dona e possivelmente até saltar. Depois, quando o cão acalmar, o dono pode entrar com o bebé.

O cão e o bebé só devem ser apresentados quando o cão estiver calmo e o bebé, de preferência, a dormir, para que o facto de o bebé se mexer não causar muita excitação no animal. Um dos pais deve segurar o bebé e o outro deve segurar o cão pela trela. Não é necessário que o cão se aproxime demasiado do bebé, basta permanecer a alguns metros, já que os cães têm um óptimo faro e não necessitam de colar o nariz ao bebé para sentir o cheiro dele. Ao apresentar o bebé, mande o cão sentar e ofereça-lhe recompensas se este se mantiver sentado.

Depois da primeira apresentação, pode repetir o ritual ao longo de alguns dias e quando sentir que o cão não vai saltar para o bebé ou tentar mordiscar, pode retirar a trela ao cão.

Acesso limitado


Se tiver um cão demasiado activo e excitado, pode ser melhor não deixar o cão entrar no quarto do bebé. Isto permite-lhe cuidar do bebé, mudar a fralda, dar de mamar, etc. sem que o cão esteja a incomodar. Também é útil quando o bebé está a dormir. Se, pelo contrário, o cão é bastante obediente e permanece calmo, deitado quando o manda, poderá deixar o cão entrar no quarto do bebé quando acompanhado.

Supervisão constante


Nunca deve deixar o cão interagir com o bebé sem supervisão. Os cães são animais de instintos que podem associar os bebés a presas ou brinquedos, devido ao pequeno tamanho. Os cães são particularmente atraídos pelo barulho, os choros, e o abanar das pernas e braços.

Sem negligência


Se pretende que o cão não se ressinta da vinda do bebé para casa, deve continuar a dar-lhe o carinho que antes demonstrava. Reserve meia hora por dia para uma sessão de brincadeira, enquanto o bebé estiver a dormir.

Preocupação


É natural que os pais estejam preocupados e ansiosos com o novo rebento, mas se mantiverem a supervisão da interacção da criança com o animal, não há razão para grandes alarmismos. A maioria dos cães adapta-se aos bebés sem problemas, desde que os donos continuem a dar ao cão a atenção a que tinha direito antes do nascimento do novo bebé.
adicionar um artigo
Bookmark no site::
Del.icio.usDiggNewsVineDe.lirio.usBlinkbitsBlinklistBlogmarksCo.mmentsFarkFurlMa.gnoliaNetvouzRedditScuttleShadowsSimpyTailRankYahooMyWeb
Comentários (10)adicionar comentário
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
25.05
Genita disse:
Desde a minha infância que sempre tivemos cães, são uma companhia adorável, que encheu e enche a minha vida de momentos alegres e divertidos. Quando se tem um cão ou outro animal de estimação, devem mesmo fazer parte do agregado familiar e serem tratados com carinho, até ao dia que partam de fora natural.
13.05
Balthazar disse:
NUNCA me passou pela cabeça deixar de ter o meu cão aquando a chegado do meu filho! A minha preocupação no bem estar do cão foi uma constante ao longo dos 9 meses de gravidez. Sinto que o meu lindo sabia que a familia iria ficar maior pois começou a fazer coisas que nunca tinha feito antes, como deitar a cabeça na minha barriga, lamber, cheirar...acho que ele sabia que ali dentro estava "algo" que ele ainda não sabia ao certo o que era. Li muito sobre o assunto, pesquisei e houve uma coisa que me aconselharam a fazer, que consistia em trazaer a roupa que o bébé despia na Maternidade e chegar a casa dar ao Balthazar para cheirar. Assim quando eu chegasse com o bébé "aquele cheiro" já lhe seria familiar. E assim fiz... Seja por isso, seja lá porque motivo for, eles são muito amigos desde o primeiro instante, a vida do peludo manteve-se exactamente a mesma que era antes da chegada do novo elemento e tudo correu bem e continua a correr. Ai de mim se ralhar á criança...ainda levo uns belos latidos de uma cão protector da "sua cria"!!!!
12.05
Estrela28 disse:
Muita gente devia ler este artigo. Não gosto nada quando me perguntam, e um dia que tenhas um filho o que fazes com a Estrela? A minha resposta é sempre a mesma, não faço nada, uma coisa não invalida a outra, e o facto de ter uma cadela não quer dizer que não tenha um filho. Quem abandona os animais não tem desculpa, e aproveitar-se do nascimento de um filho para cometer um acto barbaro desses é desumano. A unica coisa que se tem de ter mais cuidado é com o pelo, os nossos amigos de 4 patas não deixam de perder pelo só pq existe um novo enbro, mas tudo se resolve, e as crianças e os animais ficam os melhores amigos, o mais complicado. A minha sobrinha adora a Estrela e em casa tem 3 gatos, nunca se por sequer a ideia na mesa de dar os gatos. Muito bom este artigo. Parabéns a Arca.
12.05
rao28 disse:
Este artigo esta muito interessante, mas preciso de um artigo destes sobre gatos... até breve!
11.05
joanamiranda disse:
Exactamente, é tao comum usar-se esta desculpa paa abandonar um animal do canil! Muito bom :D
11.05
Cookies disse:
Excelente artigo. Quando o meu filho nasceu a nossa cadelinha Cuca mal chegamos a casa foi logo vê-lo, posso dizer que foram os melhores amigos, quando ele chorava a Cuca ficava tão aflita que chorava também era enternecedor ver o carinho que ela tinha para com o bébé.
11.05
CSpimentinha disse:
Mais um excelente artigo e muito esclarecedor para quem, se interroga sobre estas questões... Ainda não tenho bebés, mas é algo em que estou a pensar a médio prazo e claro, penso no bebé de 4 patas que tenho em casa e de como lidar com essa situação um dia. Acho que é muito bom as crianças conviverem com animais. Mais uma vez obrigada
11.05
CarpemDiem disse:
Este artigo está muito interessante e pertinente pois é recorrente abandonar-se ou prescindir-se dos animais com a desculpa ridicula da existência de bebés. Eu quando cheguei da maternidade com o meu filho deixei os meus animais cheirá-lo e sempre que esrava com ele ao colo dava-lhe festas para ele associar o bebé a coisas boas. Com supervisão e bom senso não existe problema nenhum e as coisas boas acontecem.
11.05
dianasousa disse:
Gostei bastante e já agora quando um artigo destes mas sobre os gatos?
11.05
Calti disse:
Quando o meu filho nasceu a 1ª coisa que eu fiz quando cheguei a casa, depois de tudo calmo, foi pousar o bébé no chão para ser cheirado e bem cheirado, como depois deixou de ser novidade foi muito mais fácil o convivio entre os dois. "Despachar" o nosso melhor amigo por quase de um bébé é uma desculpa, com calma tudo se resolve e tenham a certaza que o cão é o melhor amigo dos nossos filhos.....
rede vivapets:  Português Português English English Español Español Deutsch Deutsch