está aqui: home > artigos > prurido: o que fazer?

Envie a um amigo
Recomende o vivapets
de:


para:


mensagem:

[ enviar ]

 

Prurido: o que fazer?

O seu cão está com comichão. Porquê? O que é que se pode fazer?

ARCADENOE.SAPO.PT

É um especialista sobre este tema? 
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
Enviar este artigo a um amigo!
Preencha o formulário abaixo

o seu nome:
o seu email:
nome do seu amigo:
email do seu amigo:
comentários:
 
Domingo, 17 de Novembro 2002
Autor: Sofia Marques, médica veterinária

Prurido: o que fazer?
"Tenho um cão com 3 anos cruzado de Pastor Alemão.. Apresenta um problema muito desagradável: rói as patas dianteiras que se apresentam cheias de feridas e erupções entre os dedos. O resto do corpo está óptimo e o animal está bonito e aparentemente saudável. Alimento-o com ração que adquiro no supermercado local, à mistura com ossos do talho! Noto algum alívio se lhe der antibióticos e colocar pomada à base de cortisona nas patas. Porém após retirar esse tratamento, volta tudo ao mesmo. Já fiz testes à Leishmaniose e deu negativo. O que faço? Não posso estar a pôr pomada nas patas do cão eternamente!"

De facto lamber as patas é sinal que algo não está bem com a saúde do cão. Alguns donos julgam que este comportamento é normal e não consultam o veterinário para descobrir a causa do problema. De facto roer as patas pode ser um vício de qualquer cão ou cadela, em qualquer idade ou raça. Por vezes a situação agrava-se durante os períodos de maior calor na Primavera e Verão. A dieta desempenha um factor importante.

A causa principal é uma doença chamada atopia, mais conhecida nos humanos por "febre-dos-fenos". Ao contrário dos humanos, a forma mais vulgar que a doença assume é inflamação na pele e nas patas. Os alérgenos mais vulgares que despoletam as crises são: pó, ácaros do pó, pólens de árvores (especialmente pinheiro e eucalipto), ervas, gramíneas e outras plantas, bolores, caspa (humana ou de outros animais), lã e picadas de insectos.

Alguns cães com atopia podem apresentar irritação na pele ao nível da face, membros anteriores (axilas) e zona lombar. Esta doença é por vezes responsável por otites crónicas e problemas oculares. Raramente se manifestam problemas respiratórios (espirros, intolerância ao exercício, asma, tosse e corrimento nasal).

Se o cão sofrer de dermatite alérgica à picada da pulga, então é provável que roa as patas. Algumas substâncias químicas também podem contribuir para alergia em contacto directo com as patas (shampoos, detergentes, desinfectantes, etc). Ao passear no campo temos de ter em atenção que certas plantas (ouriços, praganas) podem-se alojar na patas desenvolvendo irritação local.

Infecções da pele (piodermites) podem ser causa inicial do roer da patas, mas mais vulgarmente são consequência do traumatismo que o cão inflige a si próprio. Alguns destes agentes são bactérias (estafilococos), fungos (malassézia), ou ácaros (demodex). A maioria destes agentes encontram-se ao nível da pele sem haver sinais de piodermite. As alergias podem por si só provocar comichão suficiente para o cão lamber as patas até as deixar inflamadas quentes e húmidas.

Nestas circunstâncias os agentes acima descritos podem aproveitar terreno e multiplicarem-se desenvolvendo piodermite, por vezes de difícil tratamento. A piodermite é também pruriginosa, mas de carácter mais grave! Cabe ao médico veterinário determinar a causa inicial e estabelecer o tratamento mais adequado. Isto porque se houver piodermite instalada, não basta só medicar o cão contra a comichão, mas há que controlar a infecção secundária, senão o problema jamais se resolverá.

A cortisona é um excelente anti-inflamatório e anti-pruriginoso. Infelizmente se mal usada pode piorar a piodermite e permitir que a infecção se alastre. Portanto é fundamental estabelecer um diagnóstico correcto a fim de estabelecer a terapêutica mais adequada.

Às vezes não é fácil diagnosticar à primeira a causa subjacente. Se um caso não responde bem ao tratamento há que fazer mais exames e experimentar nova terapia. Estes exames podem incluir: raspagens e posterior exame microscópico, avaliação da tiróide (cães hipotiroideos - bócio, podem exibir piodermites crónicas), e testes na pele para detectar alérgenos. Em caso de tratamento prolongado com antibióticos pode ser útil um teste de sensibilidade aos antibióticos, para verificar qual o mais adequado para a estirpe bacteriana em causa.

O tratamento é mais ou menos elaborado consoante as causas subjacentes. Pode incluir antiparasitários externos BASTANTE EFICAZES (para pulgas ou ácaros), antibióticos, corticosteróides, tiroxina (em cães com mau funcionamento da tiróide), banhos com shampoos ou loções específicas (à base de clorhexidina ou peróxido de benzoilo).

Uma vez identificados os alérgenos responsáveis, há que evità-los! Por vezes é impossivel. O tratamento regular com anti-histamínicos pode ajudar. Evitar passeios em pinhais, relvados ou outras zonas onde abunde o alérgeno em causa pode ajudar.

Os verdadeiros alérgicos (cães com atopia) podem ter de tomar cortisona via oral para o resto da vida. É necessário desmistificar este tratamento. Os corticosteróides não assim tão maus como muitas pessoas julgam. De facto em certos casos são mesmo vitais para o boa recuperação do animal. Normalmente usam-se em esquemas terapêuticos de CURTA duração até se obter o alívio desejado. Confiar exclusivamente nestes medicamentos sem se ver as verdadeiras causas subjacentes, vai redundar num tremendo fracasso. Mesmo nos doentes que necessitam de cortisona para o resto da vida, o tratamento encetado deve ser intermitente (nunca contínuamente), quando o cão andar com mais comichão e na mais baixa dose eficaz possível.

Nas alergias alimentares, o cão coça-se quando ingere determinado alimento, especialmente nas patas e abdómen. Os principais alimentos culpados são fontes de proteína a que o animal reage com maior hipersensibilidade. Pode ser a derivados do leite ou carne (cavalo e porco são muitas vezes culpados), mas há cães alérgicos ao frango ou à vaca! Certos animais inclusivé podem ter sintomatologia gastro-intestinal associada, por vezes expulsando fezes sanguinolentas. Só a estreita colaboração com o médico veterinário pode conduzir à descoberta do alimento culpado. Actualmente existem dietas veterinárias de despiste de alergias alimentares. Trata-se de rações especificamente preparadas para o efeito, cuja composição é quase improvável que o cão já tenha comido. Assim se as condições da pele melhorarem com tal dieta, o diagnóstico de alergia alimentar está comprovado. A confirmação será o retorno dos sintomas após o cão voltar a comer o alimento que comia previamente. Neste caso o tratamento médico é de pouco valor, sendo a cura definitiva do prurido equivalente à erradicação total do alimento-problema.

Tratamentos novos estão em franca expansão. O uso dos ácidos gordos Omega 3 e Omega 6 na proporção correcta, proporciona uma acção anti-inflamatória muito eficaz e sem efeitos secundários. Podem-se adquirir nos centros de atendimento veterinário. Também existem disponíveis no seu veterinário assistente, dietas preparadas já com altos teores destes ácidos gordos anti-inflamatórios. Estas dietas são extraordinariamente importantes quando se suspeita de alergias alimentares.
Comentários (2)adicionar comentário
Esta funcionalidade exige que esteja registado no VIVAPETS

Pode fazer o login da sua conta ou criar uma nova conta.
04.06
Dulce007 disse:
Bom dia. Vinha deixar o testemunho do que aconteceu ao meu cão há dias. Ele há dois dias estava bem,até que nessa noite ele começou a querer roer e a lamber muito uma das patas dianteiras. Bem que lhe ralhavamos,mas fazia isso volta e meia quando estava acordado e passado algum tempo começou a coxear,levantado a dita pata e claro que ficamos aflitos cá em casa. Como era de noite,esperamos por ontem de manhã para ir com ele ao veterinario se o cãozinho voltasse a coxear e a mexer assim na pata. E assim foi,pois os sintomas persistiram logo pela manhã. Aí fomos ao veterinario e ele reparou logo num alto avermelhado na parte de cima da dita pata e ele disse que ele estava com uma infecção,procurou pela causa dela e eis que no meio dos dedos da pata e da almofadinha que os cães têm encontra outro alto semelhante,mas com uma ferida. O veterinario disse logo que o cão se devia ter espetado nalguma coisa,como algum pico que houvesse no patio e lá fez o tratamento e pôs-lhe uma ligadura. Assim,alerto-vos para que tenham cuidado com as coisas que podem ter no vosso jardim,não deixar por lá caído algum galho de roseira podada,não deixar alastrar silvas,não terem madeira antiga com pregos,pois qualquer uma dessas coisas pode ferir o vosso animal de estimação caso ele se espete lá. Como podem ver,há vários motivos que levam um animal a roer a pata...
26.03
carolinas disse:
O meu também faz isso. Desde cachorro que tem esse vicio, dantes era só numa pata mas agora também passou para a outra. Roí sempre no mesmo sítio e mesmo que o chamemos à razão ele continua dali a nada. Acaba por perder pêlo na tal zona e ganhar ferida. O veterinário deu um nome muito comprido e estranho e traduziu para a linguagem do comum dos mortais como sendo o vicio que as pessoas têm de roer as unhas. Disse que era raro e costuma acontecer em cães extremamente medrosos e meigos.
rede vivapets:  Português Português English English Español Español Deutsch Deutsch